Está Decidido! Vou Viajar!

Está decidido! Vou viajar!

Estas últimas semanas têm sido intensivas e intensas. Tenho tomado muitas decisões, tenho tido imensas ideias e sinto-me inspirada para iniciar uma nova etapa. Mas a decisão que quero partilhar hoje aqui é aquela que mais faz sentido para mim neste momento e que terá grande impacto na minha vida nos próximos meses. Vou fazer a minha primeira grande viagem sozinha ficando durante 2 meses na Tailândia! Não foi uma decisão fácil, mas o bilhete está comprado e é agora ou nunca.

Viajar sim, mas sozinha?

Como sabem tenho andado a aprender a estar sozinha. Na realidade é mais um aprender a estar comigo. Tenho falado nisso em vários posts.

De facto, tem sido um verdadeiro desafio para mim, pois nunca pensei que o viesse a conseguir. Penso muitas vezes que se pudesse ir ao passado e contar a mim própria que ando a fazer caminhadas sozinha na praia e que vou viajar sozinha, eu própria não ia acreditar.

Tem sido um processo, um caminho e sinto-me preparada para mais um teste. Estes meus desafios ajudam-me a vencer medos e a tornar-me mais confiante no meu dia-a-dia. Ajudam-me a crescer como pessoa e com isso sinto-me mais capaz para ajudar os outros.

As minhas desculpas

Sempre pensei que queria viajar sozinha, mas confesso que arranjava sempre desculpas. Desde que escrevi neste blog o meu segundo post “Acabar com as desculpas” algo mudou no meu comportamento. Ao identificar as minhas desculpas mais comuns, sempre que as repito para mim própria parece que se acende um sinal vermelho na minha cabeça e ouço sirenes a avisarem-me que são apenas desculpas.

Neste caso da viagem tinha sempre quatro desculpas sempre à mão (e estas são as mais frequentes, porque de certeza que há muitas mais): “Não tenho tempo”; “Tenho medo. Não sei se consigo”; “Não tenho dinheiro”; ou simplesmente “Agora não”.

“Não tenho tempo”

Quem me conhece sabe que estou a terminar o estágio para obter a minha certificação internacional em coaching e que vou iniciar uma nova actividade nesta área brevemente. Mudar de profissão não é fácil e quando se fala numa profissão como a de coach torna-se mais difícil, porque é algo que as pessoas não conhecem ou têm pouca informação. Por isso, há que pôr muito esforço no sentido de divulgar não só o meu trabalho como o coaching em si.

Tudo isto leva muito tempo e muitas horas de trabalho. E quando começo a pensar no que tenho que fazer para tornar a minha actividade estável, reconheço que é tanta coisa que não vou acabar nunca.

Então por onde comecei? Coloquei num plano para os próximos meses tudo o que tenho que fazer para iniciar a minha nova actividade. E foi nesta altura que me apercebi que havia algo de errado no meu calendário, pois ia começar a minha actividade em meados de Junho. Mas quem é que começa um projecto durante a época de férias e ainda por cima no Algarve onde as pessoas têm que trabalhar mais por causa do Verão e não têm tempo para nada?

Comecei a pensar que teria que adiar o início da minha actividade para Setembro. De repente descobri que tinha pelo menos 2 meses livres. Livres? Então afinal até tenho tempo! Desculpa nº1 eliminada!

“Tenho medo. Não sei se consigo”

Depois de ter percebido que tinha tempo para fazer umas férias, veio outra desculpa poderosa: “Tenho medo de ir sozinha. E se me acontece alguma coisa? E se não me sentir bem? E se…? E se…? Não sei se consigo fazer isto.”

E quando disse isto na minha cabeça, começaram a acender-se aqueles sinais vermelhos que falei e soou um alarme que me fez pensar: “Espera lá que isto são só desculpas”. É verdade que tenho medo, mas isso é normal pois é algo que nunca fiz. No entanto, já viajei muitas vezes e consegui sempre resolver todos os imprevistos. Se não me sentir bem, posso sempre voltar mais cedo para casa. E se consegui ir à praia sozinha e depois até gostei, aqui não será diferente.

O truque é identificar a nossa voz interior e perceber se nos estamos a boicotar. Para isso temos que fazer algumas perguntas à nossa mente para clarificar a situação e transformar o problema em solução.

“Não tenho dinheiro”

Eu não tenho dinheiro para viajar. Mas como é que os outros fazem? Eu adoro fazer pesquisas e adoro viajar e planear as minhas próprias viagens. Leio muitos blogs e vejo muitos vlogs sobre o assunto. Então fui ver quais os destinos mais baratos e quais as condições de segurança desses lugares para uma mulher sozinha.

No meio de várias opções, consegui perceber que países como a Tailândia têm um custo de vida muito reduzido. Para terem uma ideia, uma refeição pode custar cerca de 1 ou 2 euros e consegue-se alojamento por cerca de 7 euros por noite.

Ok, então viver lá por 2 meses é possível e ainda mais barato que viver cá, mas ainda tenho que chegar até lá. Essa parte ficou garantida pois tinha algum dinheiro de parte para ir à Argentina. Nenhuma fortuna, mas uma grande ajuda. De facto, a Argentina foi o primeiro país que me ocorreu, no entanto o custo de vida lá é muito mais elevado. Por isso escolhi a Tailândia e descobri que tal como eu, é um dos primeiros destinos para muitos viajantes a solo.

Então e as despesas com a casa que tenho cá? Uma vez que vou no Verão e é época alta no Algarve, consigo reduzir as despesas emprestando a casa a um amigo de confiança, pelo que não tenho com o que me preocupar.

Afinal mesmo não tendo muito dinheiro, vou conseguir passar 2 meses fora.

“Agora não”

Agora sim. Passei este último ano a pensar em viajar e era sempre “Agora não”. Neste momento tenho uma oportunidade única de fazer aquilo que desejei fazer: tenho os recursos, tenho o tempo, tenho a vontade e tenho a minha confiança. Sim, também tenho o medo, a incerteza, e outras coisas mais, mas tenho que me focar nas coisas positivas e no que de bom vou conseguir com esta viagem. Portanto, “Agora sim”!

Mas porquê uma viagem?

Fazer uma viagem não serve só para dizer que estivemos aqui e ali. O que gosto menos de fazer numa viagem é fazer aquelas excursões em que se vai de autocarro e pára-se num monumento ou outro local de interesse 5 minutos para tirar uma foto e segue-se para o próximo. Eu gosto de explorar e de tirar imensas de fotografias. Gosto de ter experiências e de conhecer a cultura e gastronomia.

Mas esta viagem será diferente e muito especial para mim. Vai ser a minha primeira viagem sozinha, onde vou aumentar os limites da minha zona de conforto. Já me tinha imaginado a fazer uma aventura destas sozinha, mas sempre pensei que ia ser por etapas: primeiro um fim de semana no Alentejo, depois uma semana na Europa com uns amigos, depois uma semana sozinha em Itália, … Enfim, vou saltar todas as etapas que imaginei e passar 2 meses num país onde nunca estive, onde não conheço ninguém e onde ninguém fala a minha língua. É a loucura!

E porquê? Porque me sinto preparada para dar o próximo passo e reconheço que não preciso de tantas etapas para o fazer.

O que quero fazer?

Para além de fazer aquelas coisas que todos os turistas fazem, quero algo mais. Como sabem, gosto de desafios. Mas o facto de gostar de desafios, não quer dizer que não me custem. Custa muito sair da zona de conforto, mas o resultado é gratificante e é isso que me move. Então para além da viagem, que já de si é um grande desafio, vou-me propor fazer uma série de outras coisas que também elas vão contribuir para o meu desenvolvimento enquanto pessoa, criando competências que vão sem dúvida ajudar a minha futura vida profissional.

Canal no Youtube

Desde que comecei o meu blog que tenho vontade de fazer vídeos. Nunca o fiz derivado a várias desculpas, mas essencialmente porque falar para uma câmara não é algo que me deixe à vontade. Por isso decidi perder este medo e como se diz “lançar-me aos lobos”.

Vou criar um canal no Youtube de forma a poderem acompanhar-me nesta viagem. Isto é algo arriscado pois nem sei se vou ter coragem para o fazer, mas vou revelar o que me tem ajudado e como o vou fazer.

Primeiro, vou deixar tudo preparado: canal feito, tutoriais sobre o Youtube estudados e aplicações instaladas no telemóvel. Segundo, vou fazer os primeiros vídeos ainda em Portugal com os preparativos da viagem. Assim vou-me habituando à ideia de falar sozinha para o telemóvel. Terceiro, tenho um motivo muito forte para fazer estes vídeos. Como disse vou estar sozinha e esta será uma excelente forma de me sentir perto das pessoas de quem gosto, pois vou vendo os comentários delas e falando com elas. O canal do Youtube vai ser a minha forma de não me sentir sozinha enquanto viajo. Vai ser a minha companhia.

Diário de Viagem

Outra companhia será o meu diário de viagem, onde irei escrever tudo o que me acontecer e onde irei apontar aquelas coisas que numa próxima viagem me poderão ser úteis: onde fui, onde fiquei, preços, transportes possíveis, etc.

Posso talvez fazer alguns desenhos, apesar de já não desenhar há séculos. E será também um lugar onde vou coleccionar os bilhetes, cartões de visita ou outro tipo de recordações da viagem.

Experimentar

Também quero experimentar coisas diferentes. E aqui mais uma vez vou sair da minha zona de conforto. Não sei o que me espera, mas existem já algumas coisas na minha lista que não quero perder: falar com os monges (nem sei o que lhes diga), interagir com os elefantes (são tão grandes), comer insectos (medo!), falar com os locais (pelo menos os que falarem inglês), comer as mais diferentes frutas exóticas (parece que há uma variedade muito grande). Aceitam-se mais sugestões.

Conectar-me com as pessoas

Apesar de ir sozinha, não quero perder a oportunidade de me conectar com as pessoas. Não só com as pessoas que me irão ver no Youtube, mas especialmente com os locais e com pessoas que como eu estão em viagem.

Penso que não será difícil pois pelo que aprendi nas minhas caminhadas apenas preciso estar aberta para conhecer novas pessoas e sorrir. Depois conto-vos como foi.

E tu? Algum desafio em curso? Alguma sugestão ou conselho que me possas dar?

Partilha aqui as tuas experiências