Eu Sou Vítima Da Procrastinação, E Tu?

Eu sou vítima da procrastinação, e tu?

Adiar é o que faço quando tenho algo importante para fazer mas que não gosto ou não me apetece fazer. Chama-se a isto procrastinar. Este palavrão acompanha-me silenciosamente desde sempre. Ainda eu não sabia o que era a procrastinação, já ela me pregava partidas.

A arte de adiar para amanhã o que podes fazer hoje

Acontece-me frequentemente acordar de manhã e definir uma tarefa para realizar nesse dia, por exemplo verificar os extratos bancários e tomar nota das despesas mensais. Esta é daquelas tarefas que deveria fazer uma vez por mês, mas que vou adiando continuamente pois não é urgente.

Normalmente sento-me ao computador preparada para abrir o site do banco, mas primeiro vou ver o meu email. Dezenas de newsletters que subscrevo fazem-me abrir várias janelas e separadores com informações de vários temas que me interessam e que adoro explorar. Um link leva a outro e de repente estou a navegar na internet há mais de uma hora.

Penso novamente que tenho que ir ao site do banco, mas vou só dar uma espreitadela no Facebook para ver se há novidades. Até não costumo perder muito tempo no Facebook, mas num instante estou de novo a olhar para todos aqueles separadores que abri com temas interessantes para explorar, e inevitavelmente estou de novo a procrastinar.

Entretanto decido que tenho mesmo que ir ao site, mas antes disso vou levantar-me um bocadinho para esticar as pernas. Bebo um copo de água, arrumo um papelito aqui, outro ali e já estão a ver a ideia. Chego ao fim do dia e não fiz o que queria. Mas não faz mal (penso) amanhã faço isso.

Acontecia-me o mesmo na faculdade. Tinha um trabalho para entregar e ia adiando a sua elaboração até ao último momento. Quando chegava quase à véspera, lá ia eu a acelerar para acabar o trabalho.

Mudar o hábito de procrastinar

É claro que não sou a única e acho que todos nós somos vítimas da procrastinação, uns mais do que outros. No entanto, devemos tentar mudar este comportamento, pois torna-nos altamente ineficientes e acabamos por perder tempo precioso a fazer tarefas que não são importantes.

Procrastinar torna-se então num conjunto de desculpas. Não fui ao site do banco porque estive a fazer uma série de tarefas importantes e portanto não tive tempo. Tive que fazer o trabalho da faculdade à pressa porque o professor não deu tempo suficiente para o fazer.

Este processo também acontece, quando queremos mudar algo na nossa vida. Por exemplo, sabemos que é importante dormir mais e queremos mudar este hábito. No entanto, antes de dormir inventamos mil e uma tarefas para nos deitarmos mais tarde.

Este é um dos comportamentos que devemos mudar para conseguirmos ultrapassar vários obstáculos que nos desafiam dia-a-dia e assim criarmos formas de atingir melhor os nossos objectivos.

Como tento evitar a procrastinação?

Para não variar, pesquisei sobre o assunto e já experimentei várias técnicas para evitar a procrastinação. Vou falar mais detalhadamente sobre elas nos próximos artigos, mas ficam aqui as que tenho usado mais regularmente:

  • Faço uma lista das tarefas que tenho para fazer.

  • Defino prioridades: faço primeiro o que é mais importante.

  • Evito distracções. Neste momento já desliguei a maior parte das notificações do telemóvel, do email e do Facebook, e isso têm-me ajudado a manter-me mais focada no que estou a fazer.

  • Uso muitas vezes A Técnica do Pomodoro: trabalho 25 minutos sem interrupção e descanso 5 minutos. Depois mais 25 minutos focada no trabalho e assim sucessivamente. Esta técnica é a que me faz produzir mais.

E tu? Quais são as situações em que tens mais tendência para procrastinar? Partilha aqui as tuas procrastinações e aguarda o próximo artigo onde vou falar sobre como podes evitá-las.

4 comentários em “Eu Sou Vítima Da Procrastinação, E Tu?

  1. Nada como o stress de última hora para fazer avançar trabalho!…
    Duas coisas me vêem à cabeça: o TED talk de Tim Urban, o ‘master Procrastinator’ – hilariante maneira de explicar a procrastinação ;
    e o livro ‘The war of Art’ de Steven Pressfield – leitura obrigatória para compreender esta resistência a fazer o que nos faz bem.
    Um beijinho, Silvia

    • Susana comentou:

      Adoro o Tim Urban, ele é fantástico com este tema. O livro já ouvi falar e vai já para a minha lista 😉
      Obrigada Silvia pelas tuas dicas.
      Beijinhos, Susana

    • Susana comentou:

      Olá Marta. Obrigada pelo teu comentário.
      Enfim, todos passamos por isso. As técnicas que tenho usado têm-me ajudado imenso. Para a semana partilho-as aqui.
      Um beijinho,
      Susana

Partilha aqui as tuas experiências